Gisele Fap Fotografia

Depressão Pós – Parto

Este é um assunto muito sério para nós mamães, não importa a profissão: do lar, empresária, fotógrafa, engenheira. Esta doença não escolhe profissão nem endereço não é mesmo?

Eu não tinha muita noção deste sentimento ou assunto até ver em um canal de televisão esta semana. Sei que algumas amigas minhas tiveram Depressão Pós-Parto.

Felizmente, eu não tive depressão pós-parto, mas não deve ser fácil olhar para o seu bebê e não sentir o verdadeiro amor. Então, procurar ajuda também não deve ser fácil. Nem sempre a própria mãe sabe que tem esta doença.

Eu já fiz um ensaio newborn onde a mãe tinha depressão pós-parto e hoje ela está muito bem. O que mais me chamou a atenção foi o silêncio dela, ela me observava, mas ficava em seu canto. Ela, enquanto estava sendo maquiada, ficava emocionada, porém, quieta. Ter esta percepção durante o ensaio não é muito fácil para nós.

Depois deste caso, não tive mais nenhum. Com certeza, eu estou mais madura hoje para acolher, entender e perceber se tem algo de errado com alguma mamãe.

No momento em que ela te contrata, ela está radiante, feliz, não vê a hora de fazer o ensaio newborn ou gestante.
Tudo pode acontecer não é mesmo? Hormônios, correndo pelo corpo… Então, devemos estar preparados.
Não é problema algum, caso isso aconteça, dar mais espaço para esta mãezinha e ao mesmo tempo, apoiar.
Se adaptar a vida moderna com a maternidade é surreal! A depressão afeta pessoas mais vulneráveis, mãe, pai e outros filhos da família.

Segundo Erika Harvey, estima-se que quase 85% das mãe, passam pelo Blues pós-parto, que também é chamado de BLUES do segundo (terceiro ou décimo) dia, pois ocorre nas duas primeiras semanas após o nascimento. Está quase provado que BLUES é causado pelas mudanças hormonais que se dão no corpo imediatamente após o parto, quando altos níveis de hormônios, como o estrógeno e a progesterona, caem muito depressa. Os sintomas incluem baixo-astral, cansaços, dificuldades para dormir, preocupações e ansiedades repentinas, falta de concentração, falta de apetite, hipersensibilidade e irritação, mas os principais sintomas são os excessos de choro. As novas mães com baby Blues choram por motivos insignificantes. O baby Blues não é grave, dura apenas alguns dias e desaparece nas duas primeiras semanas depois do nascimento. Não há necessidade de um amparo médico e tudo o que a mãe precisa é de um ombro para chorar, alguém amigo que não a julgue.

Caso o baby blues esteja influenciando como dificuldades na amamentação, ou quaisquer problemas ou preocupações familiares, então, neste caso o ideal é procurar ajuda!

Há organizações que oferecem apoio particular e também conselhos práticos de amamentação para mães que querem amamentar e estão com esse problema.
Então, o ideal é o diálogo não é? Eu sempre digo para as minhas mamães que eu devo ser a segunda pessoa a saber do nascimento do bebê, assim eu me preparo para a sessão newborn e já deixo agendado.

Porém, com esta questão do baby blues, que passa após os primeiros dias após o nascimento, então, sempre serei flexível.
Minha recomendação é marcar o quanto antes a sessão, entre 5 e 10 dias de vida, mas e se a mamãe estiver com o tal do baby blues, o que fazer?
Acho que está aí uma boa dica, investigar se as mamães estão bem, dar uma ligadinha. Tudo no seu tempo, se não conseguir fazer a sessão devido a depressão, o ideal é dialogar e reagendar outro tipo de sessão, assim que a mamãe estiver melhor.

No final, dará tudo certo.

Com carinho,
Gisele Fap